PENSO, LOGO… LEIO. (2)

Olá pessoal!

Dessa vez tenho em mãos dois livros para fazer uma resenha para vocês ao longo do tempo. (Me cobrem!)

livro

O livro verde chama-se “O Melhor do Design Brasileiro.” que foi feito pela Associação Objeto brasil, onde atualmente é o segmento de Premio Idea/Brasil.  Comprei num sebo, tinha alguns exemplares dele de anos diferentes! Peguei o mais atual que tinha, de 2009.

Me interessei nele devido ao fato de que quase não falamos sobre as coisas brasileiras, seja ela em qual for a área! No curso há essa falha, não temos uma matéria dedicada ao assunto.

Já o outro livro, “Projeto de Produto”, de Mike Baxter, diretor do Design Research Centre.

Este é mais voltado para o desenho industrial e a engenharia do projeto do que com a arquitetura e o artesanato do projeto. Ou seja, é uma guia técnico de como ser bem sucedido em projetos de produto!

Esse foi comprado em uma livraria mesmo (Um pouco carinho), não resisti quando vi um livro específico sobre produto! Sempre vejo design em geral, mas este foi o primeiro que vi sobre produto.

Simples ideias implantadas no dia a dia

1

Este é um botão para segurar seu fone e impedir que este fique balançando, batendo na sua camisa e enroscando nos lugares.

Achei um gesto pequeno que pode vir a influenciar muito em nossa rotina. São produtos assim que as vezes acabam fazendo sucesso.

Infelizmente não achei o dono desta ideia, mas achei este botão num blog chamado “Moda para Homens” e achei necessário compartilhar isto com os meus poucos e queridos leitores.

2

 

Boas palavras para uma boa designer.

“Um vaso é um vaso. Um vaso de vidro transparente, cheio de água, com a forma de uma gota, já é outra coisa. Preso à parede, em vez de apoiado numa mesa, é mais outra coisa ainda.

Entre nós e ele, a palavra vaso. Mas a palavra corpo inscrita num vaso de porcelana instaura um novo meio de nomear. Ao mesmo tempo, nos lembra que a palavra corpo não se refere apenas ao nosso corpo, mas a tudo que é matéria. Como a água torna quando liquefaz ou congela. Assim, a palavra corpo no vaso de Mana traduz o que ele já é por si, enquanto remete à sua superação, em direção a nossos corpos.

A simplicidade desse gesto nos revela os processos como Mana cria – do design ao verbo, da produção ao consumo, da contemplação ao uso.”

– Fernando Antunes sobre os trabalhos da Mana Bernardes