Hey, você designer! Tem um curriculum ai?

Nós, sendo Designers, acabamos tendo uma maneira diferente de pensar e agir.

enhanced-31154-1405786560-1

É difícil de explicar, mas nós temos, cada um, um estilo, e queremos deixar nossas marcas e nossos pensamentos pelo mundo.

Porque então, não fazer isso com nossa apresentação formal à um emprego?!

enhanced-23996-1401813021-49

Vi um artigo no site da Catraca Livre falando sobre isso, que por sua vez, pegou referências do site Buzz Feed;

“Você não precisa ser um designer gráfico para ter um currículo diferenciado. Na hora de tentar uma vaga, um bom layout pode fazer a diferença.”

E inclusive, o site fornece alguns dos modelos pra você baixar gratuitamente e outros por baixo custo! (A minha pessoa, particularmente por dificuldade ou bug mesmo, não consegui baixar os gratuitos, os arquivos chegam zipados, mas quase nada dentro deles é compatível com o meu pc.)

1

3

4

5

https://catracalivre.com.br/geral/emprego-trabalho/indicacao/27-modelos-de-curriculo-para-voce-se-inspirar/

http://www.buzzfeed.com/peggy/impeccably-designed-resumes#.uuL39L7LN

Anúncios

Minha casa

Todos temos um cantinho para onde voltar no fim do dia, sejamos ricos ou pobres.

Todos merecemos um refúgio de todo esse caos da sociedade.

Todos temos a necessidade de nos diferenciarmos dentro desta sociedade.

Por que então, não customizar também nossos lares?

 

20520_668119840009941_7405636199932856618_n 10385573_668119800009945_1767679735421768689_n 10999008_668119780009947_4870367248013443399_n

Fonte das fotos:

facebook.com/ArchiDesiign?fref=photo

Penso, logo… Leio.

524207_925207364190024_3852498831522874638_n

 

Olá meu bom povo,

Tenho em mãos agora algumas preciosidades, que pretendo escrever sobre ao longo do tempo. (Me cobrem!)

Da esquerda para a direita:]

A Natureza no Processo de Design e No Desenvolvimento do Projeto;

É escrito pelo Designer industrial, gráfico e Arquiteto, Eduardo Dias, estudioso do Biodesign. Dei uma espiada por cima e o livro poem o design em contexto histórico, falando desde Platão, as grandes guerras e a atualidade, coisas que nos cercaram nos últimos 150 anos e ainda a relação do homem e a natureza e sua influência.

O Negócio do Design;

Feito por mais de meia dúzia de pessoas fala sobre a economia mundial que vive em mudança, da maneira que o design se comportou e se comporta e os objetos que marcaram nossa era.

E o último mas não menos importante:

Intuição, Ação, Criação – Graphic Design Thinking;

Primeiramente venho dizer que estou cursando Design de Produto, poré, tentetando, contudo, but, não vejo nenhum mal em ler coisas de outra área de atuação e nem quero me prender a isto, pois tudo está conectado.

Escrito por Ellen Lupton, mostra muitos métodos de criação que servem de base para qualquer estilo de design. Folhando-o, me senti dentro das minhas aulas, e será ótimo me aprofundar sobre.

Sinto, penso, logo… Desenho.

Um breve estudo

Tomei como rédea este artigo no meio de outros meia dúzia selecionados, pois achei conecções entre a matéria estudada em sala de aula (História do Design – segundo semestre de 2014), tendo então uma melhor compreensão do assunto. Já dizia Carlos Monteiro, em suas aulas de Filosofia, que para um bom estudo de um assunto, é necessário a compreensão dos fatores exteriores; conecções com o próprio ser humano em relação aos objetos, suas percepções e por fim, do Designer com o avanço tecnológico.

No artigo, que também intitula este texto, Dr. Antônio M. Fontoura diz que o Design é uma atividade interdisciplinar, o que de fato o é, pois caso contrário não teria citado as conecções citadas. O Designer estabelece relações com a ciência e a arte (…) encontra-se entre a razão e a emoção diz ele. Como tudo existente passou e passa por transformações, o Design teve suas fazes.

Um bom exemplo da razão é o ponto de vista do arquiteto citato no artigo, Hermann Mutheusius, que defendia a padronização, o uso da produção em massa e a mecanização; características da era industrial que cresceu rapidamente, porém, Fontoura era a favor da qualidade do produto e apoiava o Arts and Crafts.

O exemplo da emoção vem do arquiteto pioneiro da Bauhaus, Henru Van de Velde, ele, que era um dos principais representantes do Art-Nouveau, defendia a preservação da expressão artística individual.

As discordâncias permaneceram mesmo com o avanço da tecnologia de produção, de novas ferramentas de trabalho e dos pensamentos. Uma delas sempre sendo conservadora, como Max Bill, defensor da tradição Bauhausiana e das relações do Design com a arte; e outra sempre inovadora, como a de Tomás Maldonado, defensor da tese de que o Design teria uma estreita relação com a ciência e com a tecnologia.

Apesar de tudo, na época Moderna ainda tomava como rumo a época dos Físicos de Mileto e Platão, o pensamento filosófico e sua crença na razão e no racionalismo que tentam explicar o sentido e o significado das coisas.

Esta aproximação, da ciência, deu-se pela utilização de métodos rigorosos de projeto e pela inclusão de disciplinas científicas na formação dos designers, diz Fontoura, como a Cibernética, a Heurística, a Psicofísica, entre outros; colaborando com o funcionalismo da área, defendendo o conforto do corpo.

A Partir da era Pós-Moderna, as ideias Iluministas prosseguem, porém, com questões sociológicas, preocupando-se com o conforto do espírito.

Isto foi importante para o Design, pois permitiu a abertura para discuções mais amplas sobre o problema da estética e da semântica da produção Industrial.

Fontoura cita também que o pluralismo e a simultaneidade passaram a ser duas constantes no campo do Design, pois da globalização, surge a necessidade de se comunicar com culturas e línguas diferentes. Assim como os novos pensamentos; movimento feministas, igualdade social, a necessidade de sair do padrão e adquirir o reconhecimento de indivíduo.

“Existe uma associação entre identidade de uma pessoa e os artefatos que ela opta em usar” (Canclini, 1997, p.115). Jamais foram elementos opostos às ciências neurobiológicas (anatomia e fisiologia) e as reações químicas do corpo, afirmando a frase a cima; é o porquê de um indivíduo usar os artefatos que usa.

O designer deve conhecer mais sobre as influências da condição humana, afirma Fontoura em seu artigo, agora expondo o ponto de vista do pesquisador Antônio Demásio, pois são elementos fundamentais para o pensamento racional e para a tomada de decisões, ou seja, os sentimentos exercem uma forte influência sobre a razão.

Porém, não significa dizer que a razão ou o pensamento racional sejam menos importantes, pelo contrário, ao reconhecermos as funções das emoções é possível realçar seus efeitos positivos e reduzir seu potencial negativo.

Para Damásio, as emoções são definidas como respostas químicas e neurais, como por exemplo, uma expressão facial (sempre dirigidas para o exterior); e os sentimentos (que fazem parte da esfera privada e mental do indivíduo), como a timidez.

Outro estudioso sobre o tema, Edward de Bono, licenciado em psicologia e fisiologia, e seu estudo sobre o termpo “Pensamento Lateral” (1997); diz que é uma forma de entender as situações e seus efeitos/causas, pois o mesmo (os sentimentos) não é estável, o mundo vive em mudança e as causas e efeitos podem variar. Ele demonstra como é possível palavras de incentivo e reconhecimento podem alterar a percepção de uma situação e das sensações associadas a ela essência de um sentimento que é caracterizada pelo processo de viver uma emoção.

Ou seja, o pensamento tradicional, dito por Bono, que é baseado em situações padrão e soluções-padrão, não é funcional, já que “existimos e depois pensamos, e só pensamos na medida em existimos” (Damásio).

Todo esse raciocínio que foi se desmembrando ao longo desse estudo, resultou, para a minha pessoa, que o designer sempre deve estar atento a todas as possibilidades de se criar algo e tudo o que pode vir a ser concluído pelos outros, agora e futuramente.

O Artigo mostrou uma certa parcela da evolução do conhecimento, e assim, como todas as informações que absorvemos, não devemos ignorar as novas e velhas propostas por serem muito radicais ou ultrapassadas para criarmos nossas próprias percepções. Devemos estuda-las, melhora-las e apropria-las ao adequado. Claro que descartar algum conhecimento não é algo inválido (Descartes, Discurso do Método, p. 24-27).

Prosseguindo então, sempre para a grande teia que são os estudos.

 

Texto original de Fontoura, Antônio M.,

“Sinto, penso, logo… Desenho”

(em) Revista ABCDesign

http://www.abcdesign.com.br/por-assunto/teoria/sinto-penso-logodesenho/

 

Estudos sobre o texto por

Flávia Passarelli